Melhores preços na venda de casas no Algarve directamente pelo proprietário

O ano de 2020 ficou marcado pela instabilidade social e económica causadas pela pandemia do Covid-19. Quase todos os sectores de atividade sentiram os efeitos da pandemia e o mercado imobiliário não foi excepção.
As opiniões dos especialistas do sector imobiliário são diversas mas não muito divergentes e o sentimento mais ou menos comum é que o preço das casas ou outros produtos imobiliários no Algarve não baixou nem o risco de quebra se vislumbra.

Vários especialistas do mercado imobiliário notam que, durante a pandemia, os preços das casas se têm mantido mais ou menos  estáveis, contrariamente às expectativas gerais e em comparação com o que tem acontecido com os outros sectores de actividade económica em Portugal e no Algarve. Embora tenha havido uma ligeira quebra no número de transacções os preços dos imobiliário no Algarve não sofreram a quebra que se temia.

Acompanhando as previsões de vários especialistas para 2021, a Casafari, plataforma que disponibiliza uma base de dados do mercado imobiliário em Portugal, também antecipa que os preços das casas deverão manter-se estáveis, mesmo que a crise provocada pela pandemia possa prolongar-se.

Em meados de Março, no início da pandemia em Portugal, o mercado imobiliário congelou por breves momentos. A espectativa do que viria a seguir deixou um impasse nas vendas e compras de casa no Algarve. Depressa o movimento das transações voltou ao ritmo habitual, mantendo o valor por metro quadrado equiparado ao início de 2020.

No imobiliário, como no mundo, tudo mudou em 2020, mas, na verdade, tudo continuou igual: continuamos a comprar, a vender e a arrendar casas, a trabalhar, a viajar, simplesmente os nossos gostos e necessidades adaptaram-se ao momento vivido.

Diferente de outros setores, como o da restauração e do turismo fortemente afetados pela crise, o setor imobiliário está mais forte, mais digital e mais preparado, tal como explica o diretor comercial da plataforma idealista em Portugal.

Com o confinamento muitas pessoas e famílias passaram a valorizar um outro tipo de casa com mais espaço, mais isoladas e com mais condições de habitabilidade, pelo facto de passarmos mais tempo dentro do lar e em teletrabalho. Verificou-se um maior crescimento na procura de imóveis com mais espaço, preferencialmente a nível de moradias, em relação a apartamentos, sendo que se observou o dobro do interesse por vivendas com jardim e piscina, assim como apartamentos com varanda.

O jornal Observador refere que os preços do imobiliário continuam a aumentar e isto apesar de todo o cataclísmico efeito da pandemia na economia.
Esta anomalia ocorre, talvez, porque o imobiliário está a ser percepcionado como um “activo de refúgio”, dado que os cidadãos se recordam ainda das grandes perdas com investimentos na bolsa (acções e fundos) durante a crise de 2009, não esperam que a recuperação económica de 2021 seja suficiente para cobrir as perdas de 2020 e temem os efeitos do fim das moratórias Covid.

Muitos cidadãos, portugueses e estrangeiros que vivem ou querem viver em Portugal, estão a converter as suas poupanças, remuneradas pela banca a níveis historicamente baixos, em investimentos no imobiliário.

O efeito da transferência do objecto de aplicação das poupanças - compra de imobiliário em detrimento dos depósitos bancários - é exactamente a manutenção ou até incremento dos níveis dos preços do imobiliário.

Observa-se um fenómeno curioso motivado pelo contexto de crise económica gerada pela Covid-19: Os preços das casas, embora menos do que em anos anteriores, continuaram a aumentar em 2020, em termos médios, em Portugal e também no Algarve e a tendência de subida deverá manter-se este ano. A pandemia e os confinamentos trouxeram novas necessidades em termos habitacionais, gerando um aumento da procura por casas com mais espaço, interior e exterior onde as pessoas possam passar mais tempo e poderem usufruir de mais espaço vital individual.

No Algarve, onde a procura de casas e moradias para habitação ou até para investimento por parte de muitos estrangeiros que escolhem o Sul de Portugal para o gozo das suas reformas, os preços das propriedades imobiliárias mantêm-se sem quebras e até com alguma tendência de crescimento, segundo vários analistas.

 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

 2020 was marked by the social and economic instability caused by the Covid-19 pandemic. Almost all sectors of activity have felt the effects of the pandemic and the housing market was no exception.
The opinions of experts in the real estate sector are diverse but not very divergent.

Several experts in the real estate market note that, during the pandemic, house prices have remained more or less stable, contrary to general expectations and in comparison with what has happened with other sectors of economic activity in Portugal and the Algarve. Although there was a slight drop in the number of transactions, property prices in the Algarve did not suffer the drop that was feared.

Following the forecasts of several experts for 2021, Casafari, a platform that provides a database of the real estate market in Portugal, also anticipates that house prices are expected to remain stable, even if the crisis caused by the pandemic may continue.

In mid-March, at the beginning of the pandemic in Portugal, the real estate market froze for a few moments. The expectation of what was to follow left an impasse in sales and home purchases in the Algarve. The movement of transactions quickly returned to the usual pace, keeping the value per square meter equal to the beginning of 2020.

In real estate, as in the world, everything changed in 2020, but, in fact, everything remained the same: we continue to buy, sell and rent houses, work, travel, simply our tastes and needs have adapted to the moment experienced .

Unlike other sectors, such as catering and tourism, which are strongly affected by the crisis, the real estate sector is stronger, more digital and more prepared, as explained by the commercial director of the idealist platform in Portugal.

With the confinement many people and families started to value another type of house with more space, more isolated and with more habitable conditions, due to the fact that we spend more time inside the home and in teleworking. There was a greater growth in the demand for properties with more space, preferably in terms of houses, in relation to apartments, with double interest in houses with garden and pool, as well as apartments with balcony.

The Observador newspaper reports that real estate prices continue to rise and this despite the cataclysmic effect of the pandemic on the economy.
This anomaly occurs, perhaps, because the real estate is being perceived as a “refuge asset”, given that citizens still remember the great losses with investments in the stock market (shares and funds) during the 2009 crisis, they do not expect the 2021 economic recovery is sufficient to cover the losses of 2020 and fear the effects of the end of Covid moratoriums.

Many citizens, Portuguese and foreigners who live or want to live in Portugal, are converting their savings, paid by banks at historically low levels, into investments in real estate.

The effect of the transfer of the object of application of savings - purchase of real estate to the detriment of bank deposits - is exactly the maintenance or even an increase in real estate price levels.

There is a curious phenomenon motivated by the context of the economic crisis generated by Covid-19: House prices, although less than in previous years, continued to rise in 2020, on average, in Portugal and also in the Algarve and the trend of climb is expected to remain this year. The pandemic and confinements have brought new needs in terms of housing, generating an increase in demand for houses with more space, indoors and outdoors where people can spend more time and can enjoy more individual living space.

In the Algarve, where the demand for houses and properties for housing or even for investment on the part of many foreigners who choose the South of Portugal for the enjoyment of their reforms, the prices of real estate properties remain unbroken and even with some tendency to growth, following several analysts.